Profissional Liberal: vale à pena abrir empresa e atuar como PJ?

Profissional Liberal: vale à pena abrir empresa e atuar como PJ?

Você arquiteto, advogado, engenheiro, assim como qualquer outro profissional liberal que atua no mercado como pessoa física, certamente já se perguntou se é mais vantajoso abrir uma empresa e atuar no mercado como pessoa jurídica. Certo?

Até bem pouco tempo atrás, montar uma empresa era uma idéia que passava bem longe da maioria dos profissionais liberais. Os custos altos e excesso de burocracia eram os principais motivos que acabavam distanciando muitos profissionais de abrir seu próprio negócio. Mas hoje-em-dia não é mais bem assim.

De acordo com informações obtidas em sites de estatística, o mercado de profissionais liberais vem crescendo a cada ano. E com o crescimento desse mercado, cresce também a concorrência. Por isso, se você sonha, pensa ou tem intenções de exercer sua profissão como empresa, esta é a oportunidade certa.

Mas afinal, se realmente vale à pena abrir uma empresa, quais serão os custos e tributos envolvidos no processo de abertura? E quais os benefícios de atuar como empresa?

Foi pensando nestes questionamentos que nós, da Simplifike, resolvemos redigir este post. Após a leitura você vai ter uma noção se fica viável montar sua empresa pagando menos impostos e aumentando as possibilidades de atuação no mercado.

 

Atuando como pessoa física

Profissionais liberais atuam na prestação de serviços sem necessariamente possuirem empresa constituída. Porém, é preciso avaliar se essa é realmente a forma ideal de atuação para cada caso. Em boa parte das situações, a pessoa física pode acabar pagando mais impostos do que pagaria como CNPJ.

Em resumo, o profissional liberal atuando como pessoa física acaba pagando impostos entre 7,5% (para rendimentos mensais até R$ 2.826,25) a 27,5% (para rendimentos mensais superiores a R$ 4.664,68).

Outro ponto que atrapalha o profissional liberal na hora da sua contratação é o fato de que a empresa contratante tem que pagar 20% de INSS sobre o valor do serviço pago ao profissional. Em geral, a empresa contratante acaba optando por contratar uma empresa ao invés de profissionais liberais.

Em regra geral, acaba sendo mais vantajoso atuar como pessoa jurídica quando o rendimento bruto do profissional for superior a R$ 7.000,00.

 

Atuando como pessoa jurídica

Ao invés de atuarem diretamente como pessoa física, o profissional pode optar por atender o mercado através de pessoa jurídica (CNPJ). Na maioria dos casos, esta opção acaba trazendo muito mais vantagens do que desvantagens.

Primeiramente, podemos dizer que na pessoa jurídica os impostos são relativamente mais em conta do que na pessoa física. Por exemplo, uma empresa de arquitetura tributada pelo SIMPLES Nacional pode iniciar suas atividades pagando um imposto entre 6% e 15,5% (dependendo do tipo de serviço prestado) sobre o faturamento bruto. Já no caso de esta empresa ser tributada pelo Lucro Presumido, a carga tributária é fixa em 11,33% e deve ser adicionado o ISS que varia de 3% a 5% (dependendo do tipo de serviço prestado) sobre o faturamento bruto.

Além disso, atuando como pessoa jurídica, a empresa contratante não terá que pagar os 20% sobre o valor do serviço ao INSS. Esta diferença já traria uma grande vantagem de mercado em relação a concorrentes que atuam como pessoa física.

Outra vantagem que o CNPJ proporciona é a possibilidade de se participar em licitações.

 

Exemplo prático

Diante de tantas alíquotas de impostos, a primeira impressão até pode parecer complicado demais. Mas fique tranquilo, para ilustrarmos as diferenças entre as opções tributárias, vamos abordar alguns exemplos práticos.

 

  • Arquiteto atuando em desenvolvimento de projetos e design de interiores. Faturamento bruto mensal: R$ 7.000,00.
    • Tributação na pessoa física: R$ 1.055,64
    • Tributação na pessoa jurídica (Simples Nacional): R$ 1.085,00
    • Tributação na pessoa jurídica (Lucro Presumido): R$ 1.003,10

 

  • Arquiteto atuando em desenvolvimento de projetos e design de interiores. Faturamento bruto mensal: R$ 12.000,00.
    • Tributação na pessoa física: R$ 2.430,64
    • Tributação na pessoa jurídica (Simples Nacional): R$ 1.860,00
    • Tributação na pessoa jurídica (Lucro Presumido): R$ 1.719,60

 

  • Profissional liberal atuando em treinamentos. Faturamento bruto mensal: R$ 7.000,00.
    • Tributação na pessoa física: R$ 1.055,64
    • Tributação na pessoa jurídica (Simples Nacional): R$ 420,00
    • Tributação na pessoa jurídica (Lucro Presumido): R$ 1.003,10

 

A tributação ideal de cada empresa vai depender da profissão, da atividade desenvolvida e do valor do faturamento bruto mensal. Mas um detalhe ficou bem nítido: quanto maior o faturamento, menor fica o imposto na pessoa jurídica.

 

Planejamento

Se após esta leitura você, profissional liberal, se convenceu em abrir uma empresa, o próximo passo agora é entrar em contato com um contador. Ele irá solicitar a você todas as informações necessárias para abrir sua empresa com sucesso.

Mas não deixe de ler nosso post sobre como abrir uma empresa. Clique aqui e confira. Neste post tratamos diversos aspectos como etapas, custos outros cuidados que é preciso ter antes de se abrir uma empresa.

Aqui na Simplifike nós atuamos com os mais variados profissionais liberais. Nossa equipe está preparada para lhe atender de forma ágil e objetiva.

Deixe uma resposta

Fechar Menu